:::...Baita Chão News...:::: CAUSOS: O CAVALO VERDE
Alegrete, Centro do Mundo,

12 de agosto de 2011

CAUSOS: O CAVALO VERDE


Joveniano Centeno era flaco de corpo e largo de alardes.

Num cair de tarde de quase janeiro, apeou na venda do Noquinha e foi molhar a palavra, como era de costume. Pé no cepo, cotovelo na mesa, por lá foi se ficando numa mais outra.

Quando o lusco-fusco já aquietava os cuscos, colocou a bota fora do portal e se deparou com o seu cavalo tordilho, pintado de verde. Respirou fundo e entrou na venda, se plantando embaixo do lampião com pose de quero-quero.

- Se tem mãe de respeito, quem fez o desaforo que se apresente - gritou Jovenciano.

Lá do fundo da venda, caminhando devagar como quem trafega atoleiro, vem vindo o Salustiano, um aspa-torta com dois metros de altura e "uma feiúra de partir espelho". Vinha limpando as unhas com uma carneadeira luminosa.

- Pois o matungo na cor dos campos te serve melhor de montaria, seu maturrango - falou e disse o desabusado.

"Bêbado de susto" e atropelo, Joveniano teve apenas tempo de aliviar os acontecidos.

- Epa, epa - retrucou. - Eu só vim avisar que a primeira demão já tá seca!

extraído do livro
"O cavalo verde"
Causos gaúchos e relatos interioranos
Luiz Coronel - 2002 - Ed. Mecenas

Nenhum comentário:

Postar um comentário